Pesquisa aponta que a compra por impulso é muito frequente, para isso, basta fisgar o cliente 

Você sabe quais são os pontos mais favoráveis para uma venda certa? Sabe como utilizar as artimanhas de marketing para conquistas as vendas por impulso (as grandes metas de marcas e lojas)? Você conhece o seu consumidor? Sabe como chegar até ele e conquistar a sua confiança? As informações a seguir podem ser úteis!

Ter ou administrar um PDV, cuidar de sua comunicação, exposição, merchandising, organização é um desafio constante. “Como segurar as vendas em momentos de crise?” tem sido uma das questões mais importantes neste ano obscuro. Uma ideia que contribui para alavancar as vendas é conhecer o seu público alvo e assim aprimorar sua estratégia de comunicação com ele.

Uma pesquisa realizada por J. Jeffrey Inman e Russell S. Winner, para a POPAI, revelou alguns dados importantes sobre os consumidores do mercado de varejo. Confira o resultado após terem sido feitos testes com 4.200 pessoas em 14 cidades:

Quanto maior a frequência de visitas do consumidor na loja, menos ele escolhe produtos na hora. Pessoas que vão mais às compras (três ou mais vezes por semana) são menos sujeitas a impulsos, 57% destas em relação a 65,9% das que vão às lojas uma vez por semana, para os que não levam listas;

Na pesquisa, se avaliou que o método mais influenciador nas decisões de compras foi a exposição do produto.

Foi analisada a existência de um perfil de consumidor que é “louco por ofertas”. Ele deixa para tomar suas decisões no estabelecimento comercial, não leva lista ou planeja algo (geralmente só a categoria). A decisão é feita de acordo com as promoções.

Esse é um outro perfil traçado durante a pesquisa. Sabe os flyers, encartes, propagandas e etc que são oferecidas nas ruas, jornais, correio? Então. Existe um consumidor que vai à loja com esse guia e compra o que escolheu por ali, sem grandes chances de mudar de opinião ou levar um produto diferente.

Mais um padrão delineado e que o título o explica bem. A compra em si é mais importante que o produto escolhido. Ele quer ter o prazer de cumprir os passos da transação até adquirir o produto. Por isso, ele está bem suscetível a compras por impulso.

Esse é o grupo que está mais aberto às escolhas oriundas de estímulos dentro das lojas. Esse grupo corresponde a 61,8% (a outra parcela, mais velha, são de 56,2%) e está propenso a mudar de marca ou comprar no impulso após conhecer mais o produto ou sentir sua atenção atraída por ele.

Um padrão notado foi que os que levam listas de compras com marcas, compram pouco por impulso. Isso se a lista for pequena, caso seja grande, é comum irem se soltando e escolhendo na hora.

O nível de decisão nas lojas aumenta em função: do tamanho das compras, dos salários de quem compra e do número de pessoas para as quais as compras são feitas.

Ao comprar para uma família de cinco ou mais pessoas, a possibilidade de sair da lista é bem maior (64,8% contra 57,1% para uma única pessoa). Isso ocorre pelos fatores: carrinho maior, mais áreas das lojas visitadas, maior exposição, maior consumo.

E entre homens e mulheres, quem compra mais por impulso? Sim, elas! As mulheres são as que mais fazem compras por impulso (64,8% x 53,1%). Os homens costumam levar listas, planejar mais suas compras. Como, na média, as mulheres vão mais às compras, presume-se que pela experiência podem se abster de levar listas;

O dado mais impressionante é que não houve diferença nas compras realizadas por impulso entre as pessoas que levaram listas (58,4%), e as que não as tinham (58,6%). Ou seja, uma boa comunicação pode fazê-los mudar de marcas ou comprar produtos a mais, não importa se levaram lista ou não.

Na média final, 59,1% das compras não foram planejadas e 29,9% especificamente listadas.

Com informações: Varejista.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.